Você não está logado

HIPERMÍDIA E EDUCAÇÃO

Anna Friedericka Schwarzelmüller

Anna Friedericka Schwarzelmüller
Professora Adjunta da Universidade Federal da Bahia
Departamento de Ciência da Computação - Salvador, Bahia

01. Como você definiria a hipermídia?
Anna Friedericka Schwarzelmüller
: hipermídia é a denominação genérica para sistemas de representação de conhecimento onde diversos elementos de informação, que pode estar apresentado nas diversas mídias, e podem ser articulados de diferentes maneiras, de acordo com as diferentes perspectivas dos usuários do sistema. O maior sistema hipermídia existente é a própria web. Assim, um sistema hipermídia na verdade reúne informações apresentadas em várias mídias interconectadas formando uma rede hipertextual que pode ser visitada de várias formas dependendo da demanda de informação de cada visitante.

Ao contrário dos livros, os sistemas hipermídia podem representar uma coleção de arquivos interconectados em uma rede. Os usuários são livres para progredir, ou navegar, através do conhecimento armazenado no sistema, utilizando vários caminhos distintos e não sequenciais, cujas ligações são de alguma maneira, estabelecidas pelo projetista.

É a interação do leitor com o texto que determina qual dos diferentes caminhos o leitor vai seguir através da rede de informações disponíveis. A decisão de seguir este ou aquele caminho depende de fatores como conhecimento prévio, contexto do leitor, ou objetivo pré-determinado. Essa interação provoca reflexão, tomada de decisão, e depende de como o mapa cognitivo do leitor está desenvolvido.

Os sistemas hipermídia trazem novas possibilidades de disseminação e gerenciamento de informações, pois permitem criar, anotar, unir, e compartilhar informações a partir dos multimeios (texto, gráfico, som, vídeo e animação), proporcionando o acesso à informação de uma forma associativa e não linear.

Considerada adequada para aplicações educacionais, essa tecnologia oferece flexibilidade e grande capacidade de exploração de informações relevantes, estimulando a tão almejada interdisciplinaridade. A flexibilidade decorre do acesso não sequencial à informação e da transferência do controle de navegação para o usuário. Assim, os sistemas hipermídia estão baseados principalmente na suposição de que a interpretação do aluno/usuário é mais importante do que aquela do autor ou especialista.

02. Quais seriam as características e possibilidades da hipermídia hoje?
Anna Friedericka Schwarzelmüller
: Considera-se que uma rede hipermídia é caracterizada pelos seis princípios abstratos:

  • Princípio da Metamorfose - uma rede hipertextual está em constante construção e transformação. Embora durante algum período possa permanecer estável, ela se modifica durante o processo de interação.
  • Princípio da Heterogeneidade - os nós e suas interconexões são heterogêneos, a base de informação é multimídia e pode provocar o surgimento de outros tipos de conexões lógicas (cognitivas), afetivas, (interpessoais), sociais (formação de grupos), etc.
  • Princípio da Multiplicidade e de Associação - o hipertexto se organiza em diferentes planos de ação e semântica, com significados distintos para cada usuário.
  • Princípio da Exterioridade - como a rede, o hipertexto não possui uma unidade orgânica ou uma ação motora. Seu crescimento ou diminuição depende de fatores externos, como a incorporação de novos elementos, conexão com outras redes, etc.
  • Princípio Topológico - nas redes tudo funciona por proximidade ou cercania funcional, isto significa que a rede não está no espaço, ela é o espaço.
  • Princípio da Mobilidade dos centros - a rede não tem centro, todos os nós são centros e periferia ao mesmo tempo.

Considerando estes princípios técnicos em que as redes hipermidiáticas estão baseadas, pode-se perceber que a organização destas redes apresenta semelhança com a abordagem conexionista da psicologia cognitiva que afirma que o nosso sistema cognitivo possui um sistema de associação de informações que as interliga por diferentes formas de linguagem, conforme o interesse de cada sujeito, o que favorece a construção do conhecimento de acordo com as necessidades e o próprio estilo de aprendizagem do sujeito, produzindo, portanto, a tão almejada aprendizagem significativa de Ausubel.

03. É possível utilizar as hipermídias na escola? Como?
Anna Friedericka Schwarzelmüller
: Sim, não somente possível como desejável que esta tecnologia seja utilizada, não apenas pelos alunos com também pelos professores. E não apenas navegando em hipermídias já prontas. Eu particularmente defendo que a escola deve empreender um maior esforço no sentido de estimular o desenvolvimento, pelos alunos, como tarefas ou atividades escolares, de materiais ou conteúdos educativos na forma de documentos hipermidiáticos, pois já está comprovado que desta forma os alunos obtém benefícios que vão muito além da aquisição dos conteúdos escolares porque desenvolvem capacidades de pesquisa, interpretação e comunicação da informação.

Nesta perspectiva pode-se usar softwares específicos que permitem estabelecer links entre objetos de informação que podem ter em qualquer formato de mídia.

Mas ainda se torna necessário facilitar a utilização desta proposta com o oferecimento de ferramentas digitais orientadas para a utilização na sala de aula, isto é ferramentas mais acessíveis a professores e alunos, que não têm obrigação de serem usuários experts em informática, pois a ferramentas hoje existentes estão orientadas para os produtores profissionais de software hipermídia.

04. Que competências o professor precisa desenvolver para trabalhar com a hipermídia em sala de aula?
Anna Friedericka Schwarzelmüller:
Antes de tudo ele tem que saber trabalhar de maneira interdisciplinar, estimulando os alunos a desejarem ampliar seus conhecimentos, mostrando as infinitas possibilidades que se abrem a partir de uma ideia inicial, usando ferramentas digitais como mapas conceituais que ampliam de maneira fantástica as possibilidades de aprendizagem e de construção do conhecimento.

O professor precisa pensar que o aluno prefere ser desafiado a construir seu conhecimento.

05. Como a hipermídia pode contribuir com o processo ensino aprendizagem na escola?
Anna Friedericka Schwarzelmüller:
A capacidade da hipermídia de apresentar os conteúdos em diversas linguagens, organizando-os de diversas maneiras dependendo das diferentes visões e demandas do usuário, vem justamente quebrar o paradigma da linearidade e da segmentação do conhecimento, facilitando a convergência para a interdisciplinaridade e a interatividade, permeadas pela colaboração, e favorecendo também outras abordagens pedagógicas como, por exemplo, a aprendizagem baseada em problemas e a pedagogia de projetos.

06. Num projeto educativo articulado ao uso das hipermídias, qual deve ser o papel do professor e dos alunos?
Anna Friedericka Schwarzelmüller:
Nesta perspectiva, o professor é visto como mediador, co-participante, explorador, mobilizador, facilitador, problematizador, orientador, articulador do processo de aprendizagem. Ele deve apresentar comportamento interativo, pois é um educador que instiga a inteligência de seus alunos para a busca, produção e disseminação de conhecimentos.

E os alunos precisam esquecer aquela postura passiva de somente receber informação, eles precisam ser pró-ativos, precisam ir buscar novas informações, novos problemas para resolver e assuntos para pesquisar, novas organizações e novas modelagens destas informações, de modo a construir um conhecimento amplo e sólido. Os alunos devem assumir a responsabilidade do seu aprendizado e considerá-lo fundamental para sobreviver na sociedade do conhecimento. Para isto necessitam conhecer as várias ferramentas digitais que podem trazer as diversas possibilidades.

2 comentários para “HIPERMÍDIA E EDUCAÇÃO”

  1. orlando silva disse:

    O mais importante hoje seria se todos os governos estaduais começassem a pensar em projetar um novo conceito de escola onde as carteiras de madeira, seriam substituidas por telas planas de toque e resistentes para cada aluno. Professores altamente preparados para entrar na sala já conhecendo a forma de como repassar tarefas, via tela e sites educativos. Sem perder o conteudo basico das marterias, mas de forma mais enxuta.
    Aos alunos simplesmente não teriam de carregar materiais de escolas, ou seja, aboliria muita coisa porque todos nós detestamos carregar pesos. Caberiam somente entrar na escola, crachás magneticos que, passados na catraca, já adicionaria a presença nos dados do computador da escola.
    Voltar sim a educação moral e civica, cantar de volta o hino mais bonito do mundo, hastear a bandeira na segunda feira, com direito ao hino, recolhe-la no final do expediente escolar, hasteando somente todos os dias. Isso se perdeu e muito. Precisamos resgatar este patriotismo, que só tem na America.

  2. arlete batalha palma disse:

    Anna Friedericka, gostei muito da sua entrevista mostra realmente como é possível utilizarmos as hipermídias na escola, mais acredito que muitas vezes os profissionais da educação não vêem a hipermídia como uma ferramenta poderosa de ensino por falta de conhecimentos tecnológicos o que os fazem se sentir inseguros no desenvolvimento de tal atividade. Acho que a busca por capacitação nesta área seja o caminho para desvendar muitos educadores, visto que nossos alunos já nasceram na era informatizada e a cada dia isto é mais cobrado por eles.
    Estamos na era ciberespaço e não podemos deixar nossos alunos fora disto, eles são nativos digitais então devemos passar a eles as informações e oportunidades necessárias para que eles não se sintam excluídos digitalmente.
    Orlando, gostei muito do seu comentário na parte que se refere a patriotismo. Realmente a escola deixou de realizar estas ações, hastear bandeiras, cantar o Hino, valorizar mais as datas comemorativas, afinal elas existem não só para ficarmos em casa descansando e sim por um motivo muito mais importante o qual a maioria dos nossos alunos desconhece.

Deixe um comentário

Cadastre-se e participe das ações oferecidas pelo portal.